Sabe, eu me perguntava até que ponto você era aquilo que eu via em você ou apenas aquilo que eu queria ver em você. Eu queria saber até que ponto você não era apenas uma projeção daquilo que eu sentia, e se era assim, até quando eu conseguiria ver em você todas essas coisas que me fascinavam e que no fundo, sempre no fundo, talvez nem fossem suas, mas minhas, e pensava que amar era só conseguir ver, e desamar era não conseguir ver, entende? Dolorido-colorido, estou repetindo devagar para que você possa compreender.

Caio Fernando Abreu

Total de visualizações

Ninguém e os porquês


Chegará o momento em que se verá despreparado
Haverá de se perguntar: por que ninguém me avisou?
Ninguém avisa, se avisasse, não ouvirias
Apenas uma linguagem tens de entender:
A da vida... essa ninguém ensina
Se tentasse, erraria
A vida não é doce
Momentos são
Vários momentos não formam vida
Mas passados
Passados são interpretações
Presente são sensações
Futuro são imaginações
A vida é tudo e também nada
Acostume-se com isso.

Além do que se vê

Muito ainda está incoberto
Há razões que não se encaixam
O que se quer esquecer, não se esquece
O que se esquece, permanece
Em algum lugar a vida faz sentido
Aqui não. Não nesse mundo
Quem consegue enxergar o invisível?
Eu tento acreditar, fantasiar
Não existe revolução
Apenas degradação
Nascemos em direção à morte
O que incomoda é não saber
Se a morte é realmente o fim
Ou se o fim é um novo começo.

Simples Complexidade


Às vezes a vida te estagna
Paralisa
Te deixa sem reação
Às vezes te enche de esperança
Força
Compaixão
As duas forças existem em você
Cabe a você escolher a qual sucumbir

Várias faces da oportunidade


Pode ser um sorriso
Um olhar
Um conflito
Uma forma de tratar

Pode ser coincidência
Divindade
Um destino
Um jeito de expressar

Pode ser engano
Frustração
Decepção
Uma forma de enfrentar

No final,
Oportunidade depende apenas
Da forma que decides encarar

Casal Sem Graça


Não há nada mais sem graça que o casal que não fala sobre o futuro, que não planeja, que não pensa em ter filhos
Falta graça naqueles que vivem dizendo “depois de terminar tal coisa”, “vamos deixar acontecer”, “vamos ver o que vira”
Talvez nessas relações não haja amor, não haja paixão, não haja Deus
Talvez haja conveniência, dependência e medo de estar só
Não há nada mais sem graça!
Nunca vi tanta covardia
Nunca vi tanto medo de se entregar
Nem tanto adulto querendo se apequenar
Criança, cresça!
A vida vai passar
O tempo vai acabar
E seu legado será apenas o medo de ter vivido.

Recitando Poesia - "Desregra"


Oração de um Poeta (2)

Senhor, sei que muito pequei por correr atrás de poesia, às vezes eu esqueço que ela está dentro de mim. Perdoe-me. É que é difícil saber a forma certa de colocar meus sentimentos para fora. Se eu pudesse voltar, cometeria outros erros. Jamais teria usado drogas, por exemplo; quem supera o vício sabe o mal isso que faz. Também não me envolveria com aquela menina da oitava série, eu acreditava mesmo que ela só se jogava para mim. Se eu soubesse que nós atraímos o que somos, eu jamais seria o cara que ilude as garotas só para ter o ego apalpado. Não ia colar nas provas nem dormir na escola; até tentaria ganhar uma bolsa na escola particular. Se eu soubesse o poder da palavra, não teria deixado de elogiar minha mãe e minha namorada, perdi várias chances de mudar o dia delas. Deus, quantas poesias eu perdi? Ainda bem que o Senhor tem misericórdia. Não entendo quem se diz poeta e não acredita em algo maior do que ele mesmo, a poesia já é maior do que nós, é o encontro entre o humano e o divino, entre a imagem e a semelhança. Meu Pai, obrigado pela liberdade que o Senhor nos dá.  E obrigado por exigir de mim esse autoexame de consciência, assim vou perder menos poesias na vida. Ah, Senhor, agradeço de coração pelas poesias de hoje e pelas poesias de amanhã. Que Jesus reine para sempre. Amém!

Meu "não" em você

Vá guardando esse sorriso cínico.
Não me olhe desse jeito.
Você sabe que eu me perco,
E depois me enfureço com sua partida.
Sabes exatamente o que me apetece.
Me seduz quase sem querer.
E, se não fosse o querer,
Diria que você é ingênua.
Quase ingênua!
Se seus lábios não forem caminhos,
Não os morda.
Se seus cabelos não forem encantos,
Não brinque com eles.
Se seu sorriso não for um convite,
Não o abra.
Não faça nada por mim.
Não faça nada perto de mim.
Pare de falar! Pare de falar!
Não use voz aguda para me dizer intensidades
Se não sabes lidar com minhas paixões.
Não desperte emoções quando não há intenção de supri-las.
Já conheci muitas mulheres com medo de amar.
Mas de estúpidas como você, que despertam sentimentos
Pelo prazer de despertar, eu quero distância.
Não me confunda com seu alter ego
Nem pense que sou um de seus brinquedos.
Definitivamente, eu não sou homem para você.

Meus erros, meu bem... Meus erros.

Ultimamente eu tenho sentido uma enorme necessidade de amar.
Talvez eu tenha sentido há muito tempo;
Talvez eu fosse orgulhoso demais para admitir;
Talvez eu tivesse medo de me enfraquecer para me tornar tão forte;
Talvez eu amasse tanto a minha fraqueza que criei uma ilusão capaz de me prender na solidão;
Talvez eu fosse apenas um solitário egoísta...
Daqueles que não divide a solidão, mesmo existindo tantos solitários por aí.
Ah, é difícil delinear os erros quando se trata de um errante como eu!
Talvez, meu bem, se tratando de amor, eu precise aprender a ser imperfeccionista.

Ao Pó Voltarás

Sua ausência me dói
Quando te quero presente.
Sua agressão me corrói
Quando me sinto carente.

Você não me olha com amor,
Meu coração está na calçada.
Seu sorriso é remédio para dor,
Busquei afeto na pessoa errada.

Mas não te culpo por nada.
Se eu sofro, a autoria é minha.
Me aprofundei numa pessoa rasa,
Minh’alma nunca esteve tão sozinha.

Ainda que eu goste da solidão,
É estranho me sentir sem nó.
O lado bom da vida me fortifica.
E o que não fica, volta ao pó.

Mas eu te amo...

– Mas eu te amo – ela disse, com as lágrimas escorrendo pelo rosto.
Era um teatro, eu sabia. A voz do meu senso dizia: “tenha dó”. Mas eu não tinha, e nem conseguia ter, por mais que eu tentasse. Não sei se sou uma pessoa muito fria, mas, naquele momento, nada me esquentava. Eu me virei naquela vasta sala de estar, enquanto ela estava sentada no sofá, e andei em direção ao vinho. Enchi a taça e dei um gole.
– Você não entende? Tudo o que fiz por você, todo o amor que te dei, veio daqui de dentro e foi o mais puro que eu poderia te dar. Ninguém vai te amar como eu! – ela continuava seu teatro, batendo em seu peito, agora ainda mais escandalizado. – Eu estou sofrendo por você, e sofreria cada vez mais até você voltar pra mim.
Eu não conseguia manter meu olhar nela. Na verdade, ela me dava nojo. Porque cada vez que eu a olhava eu precisava me segurar para não agredi-la. Nunca fui um homem correto. Mas era tortuoso imaginá-la na cama com outro homem, como ela o fez.
Eu me aproximei dela e a olhei nos olhos pela última vez, dizendo friamente:
– Eu não ligo.

Desregra

Eu tenho o costume de esconder sentimento. Sentimento não é algo compreendido hoje em dia; talvez até sempre em dia. Então eu escondo, reprimo, finjo que ele não está ali. E olha, me considero um belo mentiroso sentimental. Talvez esse medo da fraqueza acabe me tornando realmente fraco. E aí eu me vejo como um balão: eu encho, encho, encho, até estourar. Estourar em alguém. Estourar por alguém. Mas, sejamos honestos, quem quer uma pessoa emocionalmente desregrada, explodindo amor em cima dela? Isso é constrangedor.